Kapotasana, morte e Deus

Se a prática de ioga é um microcosmo da vida, então a Kapotasana é um microcosmo da morte. E eu não estou falando da Kapotasana onde você se joga pra trás, se estatela no chão e nem tenta chegar ao calcanhar. Não... Eu estou falando da Kapotasana de verdade onde você tem que lutar contra o chão para ser capaz de abrir o seu coração e depois você leva o ombro ao limite para tentar alcançar o calcanhar. Você pode até não chegar lá, mas eu estou falando dessa luta que leva você ao limite das suas habilidades. Aquela Kapotasana. A que te deixa sem fôlego, lutando contra seu próprio corpo para conseguir respirar.

Para mim a kapotasana é uma pose tão difícil que quando comecei a praticá-la, eu ficava ansiosa antes mesmo de por o pé no estúdio. Por isso eu equiparo essa pose a uma prática para a morte. Porque morte cria ansiedade. Você já esteve em alguma situação quando o dia está ótimo e aí você lembra que você vai morrer um dia e que tudo vai acabar? Aí dá aquela ansiedade, um mini ataque de pânico ... Pois é... Era assim mesmo que eu me sentia toda a vez que eu lembrava que tinha que fazer essa pose.

Eu começava a ficar ansiosa na noite anterior, quando eu ia para a cama. Eu começava a pensar: "Ih..... eu tenho que fazer Kapotasana amanhã de manhã ....". Normalmente eu sofria um mini ataque de pânico toda a noite e tinha que fazer exercícios de respiração para me acalmar e dormir. Quando eu acordava, eu passava por outra onda de ansiedade quando me lembrava que eu tinha que fazer Kapotasana dentro de poucas horas. E esse pânico todo ia crescendo a medida que a hora da kapotasana chegava. Quando era hora de fazer a pose eu estava me tremendo toda. Pra quem está de fora, deve parecer loucura eu me obrigar a passar por isso todos os dias, mas o que eu aprendi através dessa maluquice toda é realmente sem preço.

Essa ansiedade toda, obrigou-me a esquecer da obsessão de querer avançar para a próxima pose. Eu já não me importava mais se eu ia conseguir fazer a kapotasana. Em vez disso, eu tinha que focar no presente para conseguir praticar sem ter um ataque de pânico. Então ao invés de assistir todos os vídeos do YouTube e ler todos os artigos sobre a Kapotasana, eu comecei a me concentrar nos pequenos detalhes da minha prática. Eu parei de me preocupar com o que estava por vir e comecei a focar no presente.

A kapotasana tirou o meu foco do corpo físico e me deixou mais conectada ao corpo celeste. Tamanha era a minha ansiedade que eu tive que deixar Deus guiar a minha prática. Até hoje, antes de fazer a kapotasana, eu oro. Pouco a pouco a kapotasana ficou mais fácil, e a ansiedade tornou-se mais superável. Através desse trabalho físico, Deus me lembrou que após a morte, o encontro mais importante da nossa vida acontece com Ele. Ele me enviou o verso de João 11: 25-26:

Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressureição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; e todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá. Crês tu isto?

Eu certamente creio! Então eu abri mão do medo, meu tremor diminuiu, a falta de ar passou. Meu foco é Deus.

O que aconteceu depois de conquistar a Kapotasana foi pura magia. A minha prática se desenrolou sem esforço. Minha obsessão de vídeos do youtube desapareceu e a obsessão de avançar foi embora. As novas poses vinham simplesmente desbloquear o potencial que já estava dentro de mim. A kapotasana me forçou a focar no que importa: Deus e o momento presente.